Cardeal se revolta após militantes colocarem bandeira gay em imagem de Jesus - Front catolico

Cardeal se revolta após militantes colocarem bandeira gay em imagem de Jesus



Por meio de uma declaração publicada no site da Conferência Episcopal Polonesa, em 29 de julho, o Arcebispo de Varsóvia, Cardeal Kazimierz Nycz, lamentou a decisão dos manifestantes de profanar a estátua localizada em frente à Igreja da Santa Cruz, em Krakowskie Przedmieście, uma das ruas mais conhecidas da cidade.


A estátua, que representa Cristo carregando a cruz e apontando para o céu com um dos braços, fica em um pedestal gravado com as palavras "Sursum corda", que significa "Elevem seus corações", uma mensagem que incentivou os poloneses durante alguns dos momentos mais sombrios e adversos de sua história.


A imagem foi colocada do lado de fora da igreja em 1858 e permaneceu em pé durante a Revolta de Varsóvia em 1944. Em resposta à revolta, os nazistas destruíram até 90% dos edifícios da cidade e derrubaram a estátua.

Uma fotografia da época mostra a estátua quebrada entre os escombros, com o dedo apontando para a inscrição "Sursum Corda", localizada acima da imagem. Este fato foi visto como um sinal da providência de Deus no meio da ocupação nazista.
A profanação da estátua histórica de Cristo 'Sursum corda', localizada em Krakowskie Przedmieście, em Varsóvia, causou dor aos fiéis, paroquianos da Igreja da Santa Cruz e a muitos moradores da capital, para quem a estátua do Salvador carregando a cruz tornou-se um símbolo de esperança nos dias mais difíceis da Revolta”, assinalou o Cardeal Nycz.


“Peço respeito pelos sentimentos religiosos dos crentes, independentemente de seus pontos de vista. Vamos parar de usar atos de vandalismo e cruzar fronteiras nos debates públicos", acrescentou.
O primeiro-ministro polonês Mateusz Morawiecki, que foi fotografado rezando aos pés da estátua em 29 de julho, disse em sua conta no Twitter que "não há consentimento em profanar símbolos nacionais e religiosos em nome de qualquer ideologia".
“Os valores que simbolizam, importantes para milhões de poloneses, são uma herança sujeita a proteção especial. Você não pode se tornar um agressor sob o pretexto da suposta igualdade”, afirmou.
Na noite de 28 a 29 de julho, ativistas vestidos de preto penduraram uma bandeira de arco-íris no braço da estátua e um lenço com um símbolo anarquista no rosto de Cristo, deixando um cartão com um manifesto de "direitos LGBT". Os manifestantes também atacaram outros monumentos importantes da cidade.

O evento ocorreu semanas após uma eleição presidencial muito acirrada, na qual venceu o atual presidente Andrzej Duda, do partido Lei e Justiça (PiS), quem assinou uma "Carta de Família" que se opõe ao casamento entre pessoas do mesmo sexo e à adoção de menores por esses casais, além disso, se compromete a "proteger as crianças da ideologia LGBT".
O vice-ministro de Justiça da Polônia, Sebastian Kaleta, encaminhou o incidente da estátua ao gabinete do promotor, assinalando que infringe as leis relacionadas a ofender a sensibilidade religiosa e profanar monumentos nacionais.
Em 30 de julho, o jornal polonês Gazeta Wyborcza informou que a promotoria abriu uma investigação sobre o incidente.

Publicado originalmente em CNA. Traduzido e adaptado por Nathália Queiroz

0 comentários via Blogger
comentários via Facebook

Footer

Tecnologia do Blogger.