Eles vêm para abençoar aqueles que mais sofrem com o novo coronavírus. E então, cada vez mais, os padres da Itália morrem.
A diocese de Bergamo, nordeste de Milão, parece ter sido a mais devastada pelo "assassino furtivo", coronavírus.

Pelo menos dez dos seus padres morreram de COVID-19, informou o jornal católico Avvenire na quinta-feira.
As mortes, sejam de padres ou de membros de suas comunidades, são "tão numerosas que é difícil contar", escreveu o jornal.
Veja Também Benguela: Morre chinês suspeito de estar infetado com coronavírus. Médica libertada
Mais cinco fatalidades foram registadas na cidade de Parma. Ainda mais mortes por vírus surgiram entre padres em Brescia, Cremona e no centro industrial do norte de Milão.

Todas essas paróquias estão agrupadas no norte da Itália, alvo do vírus desde o dia em que a primeira morte do país católico foi registada há quatro semanas.
Mais de 3.400 italianos morreram do vírus desde então.
A Itália assumiu o sombrio título de epicentro global da pandemia originada na China, onde o COVID-19 foi relatado pela primeira vez no final de dezembro de 2019.

- Morrendo mais do que médicos -
Como os médicos, os padres da Itália entram em contato com os casos mais graves da doença.
E, como médicos, sabe-se que os padres se reúnem em locais próximos, criando as condições perfeitas para o contágio.

Uma contagem da agência de notícias italiana ANSA na quinta-feira elevou o número de médicos mortos pela doença em 13.
Os números divulgados pela media italiana sugerem que o número de mortos entre os padres é maior. Pelo menos 28 padres morreram.
"Vestindo uma máscara, um boné, luvas, uma túnica e óculos de proteção, os padres andam pelos corredores como zumbis", disse o padre Claudio del Monte à agência de notícias italiana Adnkronos.
Del Monte tem uma paróquia em Bergamo, uma cidade murada e montanhosa de 120.000 habitantes, com torres quadradas e telhados inclinados de terracota, familiares aos turistas de muitas cidades italianas.
Sua província é agora a mais afetada da Itália. Com 4.634 infecções na sexta-feira, a província acumulou 11% de todos os casos da Itália.
A sua população é responsável por 0,2% do total da Itália.
Bergamo tem tantos mortos, que camiões do exército tiveram que entregar suprimentos de caixões de madeira recém-fabricados na quinta-feira e as casas mortuárias não conseguem dar conta de todos os corpos .

Funerais, juntamente com casamentos, foram proibidos por mais de uma semana para conter o contágio. E poderá continuar assim por mais semanas ou mesesComo todas as outras vítimas, os clérigos são enterrados sem cerimônia.