Mãe de bebê que nasceu com manchas desabafa:"Querem que eu mate minha filha"





A grande maioria das mulheres costuma ter como desejo a tão sonhada vontade de ser mãe.

No entanto, a maternidade não gera apenas um novo ser, mas traz muitas responsabilidades, principalmente pelo fato de determinadas crianças necessitarem de alguns cuidados especiais, requisitando uma maior atenção por parte dos pais.

É o que acontece com a bebê russa Vika, diagnosticada com nevo melanocíticos congênitos, responsáveis por gerarem inúmeras manchas, que cobrem aproximadamente 80% de seu corpo. Durante uma entrevista concedida a um programa de TV, a mãe da garotinha desabafou sobre a situação delicada da filha e revelou a perversidade de algumas pessoas.





Maria Khvostantseva, de 22 anos, informou que a jovem bebê acaba sendo vítima de mensagens repletas de ódio na Internet. De acordo com informações do jornal britânico Daily Mail, a mãe da garotinha destacou que o preconceito em relação à menina não fica restrito ao meio virtual, sendo constante também pessoalmente, baseado na estranheza causada pelas manchas.
Em um momento mais comovente da entrevista, aos prantos, Maria revelou que além das mensagens de ódio sobre a filha, também recebe telefonemas estranhos: “Uma mulher me disse por telefone: ‘Mate sua filha, jogue embaixo de um trem’”.
Outra revelação emocionante feita pela mãe de Vika, que com apenas 6 meses de vida é vítima de tanto ódio, relaciona-se com a impossibilidade de batizar sua filha. Maria disse que o padre se recusou a batizar a bebê, com a justificativa de que as manchas seriam contagiantes.
Apesar da condição de adversidade de Vika e de tanto ódio sofrido, Maria não deixou de ressaltar seu amor de mãe: “Minha filha é linda, e muito amada pela família



Postagens mais visitadas deste blog

Saiba o que são pecados mortais e quais são os mais comuns

Morreu nessa quarta aos 54 anos de covid-19 padre da Paróquia São João Batista

LUTO:Faleceu na madrugada dessa quarta padre da paróquia Nossa Senhora,vítima de covid-19