Se preciso, com uso de armas, Papa diz que legítima defesa deve ser “necessária e medida” - Front catolico

Se preciso, com uso de armas, Papa diz que legítima defesa deve ser “necessária e medida”



O Papa Francisco recordou que a “legítima defesa não é um direito, mas um dever para aquele que é responsável pela vida de outro”.
Durante a audiência que concedeu na manhã de hoje, aos membros da delegação da Comissão Internacional contra a Pena de Morte, recordou que “a defesa do bem comum exige colocar o agressor na situação de não causar dano”.


Por essa razão, “aqueles que têm autoridade legítima devem rejeitar toda agressão, mesmo com o uso de armas, sempre que isso seja necessário para a preservação da própria vida ou das pessoas sob seus cuidados. Como consequência, todo uso de força letal que não seja estritamente necessário a esse propósito só pode ser considerado como uma execução ilegal, um crime de estado”.


Nesse sentido, explicou que “qualquer ação defensiva, para ser legítima, deve ser necessária e medida”.
Em resumo, destacou que “o amor-próprio é um princípio fundamental da moralidade. Portanto, é legítimo fazer valer o direito à própria vida, mesmo quando for necessário infligir um golpe mortal no agressor”.
A Constituição Pastoral Gaudium et Spes afirma categoricamente:


“Em um mundo marcado pelo mal e pelo pecado, existe o direito à legítima defesa por meio das armas (Constituição Pastoral Gaudium et Spes, 79). Esse direito pode tornar-se um dever grave para quem é responsável pela vida dos outros, pelo bem comum da família ou da comunidade civil (Catecismo da Igreja Católica, nº 2265)”.
(O Comércio Internacional de Armas – Uma reflexão ética, 1º/5/1994, assinam o Cardeal Roger Etchegaray, Presidente do Pontifício Conselho Justiça e Paz, e Mons. Martin Diarmud, secretário. Vozes, Petrópolis, 1994, pág. 17)
Com informações de ACI Digita
0 comentários via Blogger
comentários via Facebook

Footer

Tecnologia do Blogger.