É valida a benção de pessoas e objetos a distancia ou pela televisão? Os diferentes tipos de benção - Front catolico

É valida a benção de pessoas e objetos a distancia ou pela televisão? Os diferentes tipos de benção





“A liturgia dos sacramentos e sacramentais oferece aos fiéis bem dispostos a possibilidade de santificarem quase todos os acontecimentos da vida por meio da graça divina que deriva do mistério pascal da paixão, morte e ressurreição de Cristo, mistério onde vão buscar a sua eficácia todos os sacramentos e sacramentais” (Catecismo Igreja Católica, 1670).


Em primeiro lugar, deve-se lembrar que a bênção, como sacramental (CIC, 1671) é um louvor a Deus e um pedido para obter seus dons. Sendo sacramental, o Catecismo da Igreja dispõe que “compreendem sempre uma oração, acompanhada de um determinado sinal como a imposição da mão, o sinal-da-cruz ou a aspersão com água benta (que lembra o Batismo)” (CIC, 1668). Donde se conclui pela presença física do sacerdote para tal (conferir CIC, 699).
Na língua portuguesa temos dois verbos que abordam o assunto: benzer e bendizer. O primeiro quer dizer dar a bênção, conceder benefícios. O outro significa atribuir os benefícios recebidos àquele que os concedeu (significa, portanto louvar, agradecer a Deus pelos benefícios alcançados).


Existem três tipos de bênção: constitutiva, invocativa ou de exorcismo.
1) PELOS MEIOS DE COMUNICAÇÃO NÃO SE BENZE NADA
Se a bênção for constitutiva, ou seja, que sacraliza a coisa, tem que ser dada na presença física do sacerdote, não pelo rádio, televisão ou internet. Por isso, a água benta só o é na presença do padre; a bênção dos objetos também; nunca à distância.
2) A BÊNÇÃO MERAMENTE INVOCATIVA É A ÚNICA POSSÍVEL PELOS MEIOS DE COMUNICAÇÃO
A bênção meramente invocativa é aquela em que o sacerdote manifesta o desejo que Deus abençoe algo. A própria bênção “Urbi et Orbe” do Papa é meramente invocativa sobre os fiéis que estão na praça São Pedro. Segundo Frei Alberto Beckhauser “neste tipo de bênção temos a invocação dos benefícios de Deus, que podem ser relacionados a pessoas e a coisas. Falamos, então, de abençoar e de benzer. De modo geral as pessoas são abençoadas e as coisas são bentas” (Celebrar a vida cristã, 2007, pág. 257). Deve-se lembrar, por fim, que uma coisa é a água se tornar benta. Outra é o homem ser abençoado, pois a bênção não o torna bento, apenas sobre ele é invocada uma bênção, nunca constitutiva (exemplo: a bênção de um pai sobre o filho, do padrinho sobre o afilhado, do sacerdote sobre o fiel). Donde se conclui que a invocação do sacerdote pelos fiéis através meios de comunicação é válida, mas a bênção da água, chaveiro, terço, bíblia etc. não.


É possível se receber uma Bênção à distância?
Se a bênção é constitutiva, i.e., que torna a coisa abençoada algo bento, ela deve ser dada de modo presencial. Por isso, a água benta só o é na presença do sacerdote; a bênção dos objetos também; nunca à distância.


Todavia, a bênção meramente invocativa, aquela que suplica de Deus a bênção, que O invoca apenas, ou seja, que é um desejo de que algo seja abençoado, pode ser dada à distância. A bênção no fim da Missa, por exemplo, pode ser recebida pela TV ou pelo rádio. A bênção “Urbi et Orbe” do Papa também. Se dada presencialmente, o efeito é de uma bênção constitutiva (condicionado, claro, à recepção da bênção pelo estado de graça do fiel, e presente enquanto durar a caridade em que a recebe); dada à distância, tem efeito propriamente invocativo apenas.
Lembremos também que essa bênção invocativa é um simples desejo de abençoar, não uma bênção que constitui a coisa benta de fato, e, por isso, é dada até por leigos (religiosos não-clérigos; religiosas, mormente as abadessas e prioras; pessoas com fama de santidade; pais, padrinhos e autoridades; etc). Dada por um sacerdote ou diácono, repetimos, a bênção invocativa tem efeito constitutivo (temporário, enquanto durar o estado de graça), e por um leigo efeito invocativo. Já a bênção constitutiva efeito algum tem quando dada por um leigo, pela própria natureza das coisas (pois não há razão para simplesmente desejar que uma água seja abençoada, por exemplo; ou se abençoa de fato – bênção constitutiva – ou não se abençoa, o que é próprio de um ministro ordenado).
E a bênção do Santíssimo? Concluímos então que à distancia não é válida?
Uma coisa é a ÁGUA ser abençoada, porque ela se TORNA benta. É uma bênção constitutiva. Outra situação, bem diferente, é o HOMEM ser abençoado, pois a bênção não o torna bento, apenas é sobre ele invocada uma bênção. Trata-se de bênção invocativa (que qualquer leigo pode dar, aliás, pois é um desejo de bênção… os pais e padrinhos têm por costume dar essa bênção).


Ora, a bênção do Santíssimo é uma invocação para que o homem seja abençoado. Não é um “tornar o homem bento em si mesmo”. Portanto, valem as palavras que escrevi lá atrás: a bênção CONSTITUTIVA não vale à distância, mas a INVOCATIVA sim.
A Benção “URBI ET ORBE” do Santo Padre tem efeito constitutivo para todo o Orbe, porem ela é dada às pessoas e não aos objetos, independente de transmissões televisivas ou de radio. Isso está certo?
A bênção às pessoas NÃO é constitutiva, mas invocativa.
Constitutiva é a bênção que torna a coisa abençoada “benta em si mesma”. Ora, o homem não se torna bento em si mesmo, não se torna “algo” bento. Do contrário, alguém que foi abençoado deveria ser colocado com todo o cuidado em um relicário.


Esse é o sentido de constitutiva. Nem mesmo a bênção Urbi et Orbi é constitutiva, pois essa característica não tem a ver com a pessoa que abençoa (se padre ou leigo), mas com o objeto abençoado.
Realmente, a bênção constitutiva é privilégio dos ministros ordenados, mas nem toda bênção concedida por eles é necessariamente constitutiva. Ou seja, só padres, Bispos e diáconos podem dar uma bênção que constitua a coisa benta, mas nem toda bênção que eles concedem de fato têm essa finalidade. Ministros ordenados, portanto, podem dar bênção constitutiva, mas também INVOCAR a bênção sobre as pessoas (bênção invocativa). Leigos dão só essa invocativa, mas não quer dizer que os clérigos também não a podem dar.
0 comentários via Blogger
comentários via Facebook

Footer

Tecnologia do Blogger.