Páginas

Page

sexta-feira

Horror:Um bebê agonizou por 10 horas ao sobreviver um aborto






Agências / InfoCatólica ) No hospital Masvernat, em Concordia, Entre Ríos na Argentina, uma menor de idade abortou no quinto mês de gravidez. Os médicos resistiram a fazê-lo porque entenderam que não era por abuso. Mas um novo juiz de família sem carreira judicial , Belén Esteves, ordenou que o aborto fosse realizado pelo protocolo provincial da ILE.
O bebê nasceu vivo. Seu pequeno corpo era apoiado no "plano" sem que ninguém ousasse encerrar sua existência, assumindo que sua suposta "inviabilidade" imediatamente faria com que o batimento de seu coração parasse. Mas isso não aconteceu:
Ele permaneceu vivo "cerca de dez horas", disseram profissionais de saúde. Médicos, enfermeiras e testemunhas ultrajadas descrevem a atitude desumana como "abandono da pessoa". O estupor chegou ao Serviço Neonatal, que não recebeu intervenção para prestar assistência mais digna à criança já nascida.

7 médicos apresentaram sua objeção de consciência porque o caso mostrou a natureza aterrorizante do protocolo de aborto não punível.

«Em Concórdia, nos declaramos« Ciudad Provida ». Estamos indignados com esta tragédia e não nos permitiremos ser impostos por essas práticas desumanas em nossa cidade ”. e eles exigem: "Pedimos ao governador Bordet para eliminar o protocolo de aborto não-punível".


Para concluir, os médicos dizem: "Não queremos que mais mortes sejam causadas por crianças. Nenhum tratamento mais desumano para crianças vítimas de aborto. Direito à vida para todos, sem excluir ninguém ».
Na declaração, que faz parte de uma campanha nas redes sociais, inclua os perfis do Governador Gustavo Bordet ( https://twitter.com/bordet ) para que aqueles que queiram se juntar ao pedido enviem uma mensagem direta.

O Bispo da Concórdia: «Nenhum protocolo pode alterar a Constituição que protege a vida»



O Bispo de Concordia, Dom Luis Armando Collazuol, expressou sua "profunda tristeza" para o caso de aborto realizado em um hospital público na cidade enterriana um adolescente no quinto mês de gravidez, por ordem judicial, e cujo bebê nasceu com vida e deixou-o a agonizar por dez horas.
"Nenhum direito individual pode justificar a eliminação da vida humana que não pode ser defendida. Quando uma mulher está grávida, não falamos de uma vida, mas de duas, a da mãe e a do seu filho ou filha em gestação. Ambos devem ser preservados e respeitados. O direito à vida é o direito humano fundamental ", disse ele em um comunicado.


'Não' protocolo de ação' pode alterar o conteúdo da Constituição como proteger a pessoa humana desde a concepção, ou o correspondente direito à vida garantido flagrantemente pela Constituição e tratados internacionais incorporados em nossa Constituição, com hierarquia constitucional ", disse ele.
Monsenhor Collazuol pediu às autoridades provinciais emitir uma decisão de anular o "Protocolo para o atendimento integral das pessoas com direito a rescisão legal da gravidez", e endossou as palavras do Papa Francis em matéria de protecção do nascituro .
"A defesa do inocente que não nasceu ... deve ser clara, firme e apaixonada, porque a dignidade da vida humana, sempre sagrada, está em jogo, e é exigida pelo amor de cada pessoa além de seu desenvolvimento", concluiu, citando a exortação apostólica Gaudete et exsultate.