Escola do MS é investigada após professor exibir filme com cena de sexo gay para as crianças - Front catolico

Escola do MS é investigada após professor exibir filme com cena de sexo gay para as crianças






Um filme com cenas de relações homossexuais foi apresentado aos alunos do Ensino Médio da Escola Estadual Maria Constança de Barros Machado e causou polêmica nas redes sociais. Pais e adolescentes fizeram posts sobre o ocorrido informando que os alunos foram “forçados” a assistir. A comissão de educação da Assembleia Legislativa disse que vai investigar o caso.


Em uma publicação no Facebook, um pai informou que o filme “Crime Barato” foi apresentado aos alunos durante a disciplina de Artes. “Um filme de sexo explícito de cunho homossexual, onde os alunos não foram avisados de seu conteúdo sexual. Além de não serem informados, após adentrarem ao auditório os mesmos foram proibidos de sair durante a apresentação e ameaçados pelo responsável caso alguém filmasse ou fotografasse as cenas do repugnante filme”, diz a publicação.


Na manhã desta quinta-feira (4), os deputados Pedro Kemp (PT) e Herculano Borges (SOLIDARIEDADE), presidente e vice da Comissão de Educação da Assembleia Legislativa, respectivamente, disseram que vão investigar a veiculação do filme ontem na escola. “Sexo explícito, cena de travesti fazendo sexo com outro homem. Minoria quer erotizar nossos filhos”, disse Herculano.
Na Câmara Municipal os vereadores vão enviar um ofício à SED pedindo informações sobre quais as providências tomadas referente ao filme que seria impróprio aos alunos. Vários vereadores discutiram a situação após o parlamentar Júnior Longo (PSDB) solicitar uma moção de repúdio contra o professor. O presidente da Casa de Leis, professor João Rocha (PSDB), revelou que na noite de ontem, no grupo de WhatsApp dos vereadores, já havia tratado do assunto com os demais parlamentares, dizendo que teria entrado em contato com a secretária de educação para saber o que seria feito. Repassou aos colegas que uma advertância oficial e abertura de sindicância administrativa teria sido aberta na Procuradoria-Geral do Estado.


Lançado recentemente, o filme “Crime Barato” tem como cenário o Centro de Campo Grande e retrata a história de duas pessoas que, após o fim de um relacionamento e anos sem se ver, têm um reencontro que termina em tragédia. Ao longo de 1h25, o filme traz flashbacks e aborda problemas familiares de seus protagonistas, tendo um cenário conhecido dos campo-grandenses e sem seguir uma linha cronológica.
Ao Portal da Educativa, o diretor Miguel Horta disse que a produção apresenta uma visão realista para “por o dedo na ferida” em temas como o mundo LGBT, prostituição e o uso de drogas.


A reportagem entrou em contato com a Secretaria de Estado de Educação (SED) que adiantou que nenhum aluno foi impedido de sair da sala onde o filme era apresentado, como denuncia o pai. Em nota, a SED informou que irá apurar o caso.
O diretor Miguel Horta também foi procurado, mas até o fechamento dessa matéria não atendeu nossas ligações.
Confira a nota oficial da Secretaria de Educação na íntegra:


A Secretaria de Estado de Educação abriu processo administrativo para apurar a ocorrência relatada pela comunidade estudantil, após exibição de um filme com temática sexual, ocorrida no dia 03 de outubro de 2018, na Escola Estadual Maria Constança Barros Machado.
* Matéria atualiza às 16h47 para acréscimo de informações.

0 comentários via Blogger
comentários via Facebook

Footer

Tecnologia do Blogger.