A situação na Nicarágua é complicada. Estávamos dizendo ontem que a Igreja estava em processo de retomar o diálogo com o governo, enquanto esperava por uma resposta de Ortega. No entanto, a situação piorou e causou a fuga de católicosque agora estão abrigados na Costa Rica.
O cardeal Leopoldo Brenes explicou aos jornalistas que "infelizmente alguns catequistas, alguns delegados da palavra, ministros da comunhão, tiveram que deixar o país". Além disso, depois de oficiar a missa deste domingo, Brenes anunciou que a Arquidiocese de San José da Costa Rica tem instruções para receber os católicos que procuram abrigo lá.
Nem na Nicarágua nem na Costa Rica
 
Cardeal agradeceu ajudando seus vizinhos, especificamente norte de Costa Rica Ciudad Quesada -pelo, afirmando que "criou alguns centros de refugiados, clínicas, se um paciente chega a Nicarágua nas dioceses de fronteira da mesma forma." Além disso, o governo condenou as manifestações contra a recepção dos nicaraguenses , alegando que eles pediram ódio e violência . Estes se juntam à recente campanha da Nicarágua que ataca a Igreja usando escândalos americanos para desacreditar a hierarquia católica.
Vale ressaltar que a Nicarágua é um território em que o catolicismo se destacasobre outras religiões. Segundo um censo realizado em 2012 , 53,4% da população, com um total de 6 milhões de pessoas, é considerado católico.
As tensões começaram em junho, quando a Igreja, que atua como mediadora na crise sócio-política com a qual o país está lutando, propôs o avanço das eleiçõespara março de 2019. Desde então, milhares de pessoas decidiram deixar a Nicarágua: 11 de agosto A Costa Rica tinha 19.000 pedidos de asilo, embora alegasse que cerca de 23.000 haviam cruzado suas fronteiras.