Enviado do Papa a Medjugorje: “Atividades demoníacas” buscam destruir o bem - Front catolico

Enviado do Papa a Medjugorje: “Atividades demoníacas” buscam destruir o bem



O enviado especial do Papa a Medjugorje, o Arcebispo polonês Henryk Hoser, assegurou que nessa localidade se enfrentará as “forças do mal” que buscam destruir o bem.
Foi o que o Prelado indicou em 4 de julho, na Missa que presidiu no aeroporto Federico Chopin de Varsóvia, antes de viajar a Medjugorje, onde realiza uma missão encomendada pelo Vaticano exclusivamente pastoral e não relacionada com a verificação das supostas aparições marianas.
“Vemos como as forças do mal de mobilizam para evitar o bem. Entretanto, enfrentarei essas forças em Medjugorje, onde há conversões em massa, confissões poderosas e onde há também atividade demoníacas nesta área que tentam fazer todo o possível para destruir. Neste lugar também se infiltraram as máfias”, disse o Arcebispo.
Segundo indica o site da Diocese de Varsóvia-Praga, Dom Hoser disse que em Medjugorje, por um lado, está o bem, por outro lado, o mal. Estas duas realidades estão em oposição entre si e estão tentando se encarnar. Estamos constantemente entre esses dois polos”.
O enviado especial indicou que “não deveríamos ser ingênuos acerca desta realidade. Os jovens necessitam da radicalidade evangélica, não de histórias aveludadas, precisam da radicalidade evangélica que Jesus fala constantemente”.
Então, é necessário “buscar o bem e não o mal, para poder viver. O mal ataca preferencialmente a vida. Odeie o mal e ame o bem”, exortou o Prelado, Arcebispo Emérito de Varsóvia-Praga.
Na Missa celebrada em 4 de julho, indica o site do Episcopado polonês, concelebraram com Dom Hoser, o Bispo Auxiliar de Varsóvia-Praga, Dom Marek Solarczyk, e o capelão nacional do serviço de saúde, Pe. Arkadiusz Zawistowski.
O jornal italiano ‘Il Mattino’ assinala que quando o Arcebispo fala da máfia poderia se referir à napolitana, conhecida como a "Camorra", que estaria envolvida com alguns abrigos para peregrinos italianos e comércios em Medjugorje.
Missão pastoral
Em dezembro de 2017, Dom Hoser explicou que "podem organizar peregrinações de oração a Medjugorje sem nenhum problema, desde que sejam espirituais e que não estejam relacionadas às aparições da Virgem aos videntes".
Em abril do mesmo ano, o Arcebispo sublinhou que existem mais de 600 vocações que surgiram em Medjugorje, de fiéis provenientes de países como Estados Unidos, Itália e Alemanha. Do mesmo modo, calculou que cerca de 2,5 milhões de peregrinos chegam anualmente a este lugar na Bósnia-Herzegovina.
"Há outra coisa importante que é a casa de retiro Domus Pacis. Há mais de mil grupos que passaram por aqui, com mais de 42 mil participantes nos últimos anos. Esses exercícios espirituais transformam as pessoas interiormente", destacou o Prelado naquela ocasião.
Tudo isso "mostra a intensidade da vida cristã em Medjugorje que pode ser aplicada a outros lugares", acrescentou.
Em 11 de fevereiro de 2017, a Sala de Imprensa da Santa Sé informou que o Papa Francisco nomeou Dom Hoser como “enviado especial” a Medjugorje, com um objetivo “estritamente pastoral”, e não pela suposta aparição mariana, tema que é competência da Congregação para a Doutrina da Fé.
O enviado “tem o objetivo de obter informações mais aprofundadas da situação pastoral daquela realidade e, sobretudo, das exigências dos fiéis que chegam em peregrinação e, com base nisso, sugerir eventuais iniciativas pastorais para o futuro. Terá, portanto, um caráter exclusivamente pastoral”, assinalou o Vaticano naquela ocasião.
0 comentários via Blogger
comentários via Facebook

Footer

Tecnologia do Blogger.